Processo Educacional

Concepção de Ensino

Nosso trabalho é baseado no construtivismo, que parte do pressuposto que as crianças constrõem o conhecimento organizando e reorganizando informações que já possuem.

A criança chega à escola com muitos conhecimentos que traz da família, amigos, comunidade, etc… e é papel da escola valorizar o que ela já sabe e, a partir daí, promover novas aprendizagens. Além do saber conceitual, contemplamos o saber procedimental e atitudinal.

Ou seja, temos como objetivo formar alunos que desenvolvam a capacidade de pensar, que consigam encontrar soluções para situações diárias num mundo de rápidas e infindáveis mudanças. A pesquisa e seleção de informação se revelam parte itinerante do processo de aprendizagem.

Processo de Alfabetização

O trabalho de pré-alfabetização é iniciado desde o grupo dos Toddlers (crianças completando 2 anos) através do reconhecimento dos nomes das crianças do grupo, com jogos e brincadeiras. Estas atividades são realizadas de maneira extremamente lúdica, com muito significado para as crianças, portanto de maneira prazerosa.
A partir do Toddler as crianças interagem com palavras e letras, começando a observar e perceber a estabilidade dos nomes. A lateralidade é evidenciada ao se apontar as palavras lidas da esquerda para a direita.

O calendário é muito usado na sala de aula, e são registrados os ajudantes do dia, como estava o tempo naquele dia, etc., mostrando o uso social da escrita.
Neste momento da escolaridade, as atividades são todas realizadas em inglês, já que as crianças estão expostas a uma imersão total da língua.
Contudo, a partir do ano que a criança completa 5 anos, o G5, temos a entrada do português no currículo, com elementos da cultura brasileira através de parlendas típicas do nosso universo cultural. As crianças naturalmente transferem o conhecimento adquirido em língua inglesa para a portuguesa, língua materna de grande parte dos nossos alunos, e inicia-se o processo de alfabetização de uma maneira um pouco mais formal, com atividades permanentes e projetos. Iniciamos com atividades de leitura, a fim de repertoriar o universo das crianças, para em seguida se expor num processo de escrita.

Todo este aprendizado é feito de maneira muito reflexiva, coerente com a visão de criança ativa no seu processo de conhecimento. As crianças têm consciência que inicialmente não estão escrevendo de maneira convencional e compreensível para qualquer adulto, contudo têm suficiente auto-confiança para se colocar de maneira firme.

Principais Objetivos

Acreditamos que um dos objetivos mais significativos da educação infantil seja a construção de uma imagem positiva de si, ligada a uma crescente autonomia e portanto auto-confiança.

A constante valorização dos saberes de cada criança e o respeito às diferenças no grupo também proporcionam um incentivo à auto-estima.

A educação infantil proporciona o primeiro contato com um grupo fora do âmbito familiar, trazendo aprendizagens também com os colegas.

Pensamos com o outro e para o outro.

“Eu não sou você
Você não é eu
Eu não sou você
Você não é eu.
Mas sei muito de mim
Vivendo com você.
E você, sabe muito de você vivendo comigo?
Eu não sou você
Você não é eu.
Mas encontrei comigo e me vi
Enquanto olhava prá você”.
Madalena Freire

O contato com outras crianças constrói atitudes favoráveis para o convívio social, como dividir, esperar sua vez e ouvir a opinião do colega, mesmo que discordando desta.

Aprende-se a respeitar as diferenças, tanto de intenções, quanto de cultura e costumes.

Abre-se um espaço para a expressão de sentimentos, emoções, desejos e necessidades, através do ato de brincar e de outras situações na rotina escolar como nos horários de jogos.

“A criança adquire experiência brincando. A brincadeira e o jogo são parcelas
importantes da sua vida…

Tal como as personalidades dos adultos se desenvolvem através de suas experiências da vida, assim as das crianças evoluem por intermédio de suas próprias brincadeiras e das invenções de brincadeiras feitas por outras crianças e por adultos.

Ao enriquecerem-se, as crianças ampliam gradativamente sua capacidade de exagerar a riqueza do mundo externamente real”.
Winnicott, D.W.
A criança e seu mundo – capítulo 22. Rio de Janeiro: Zahar Ed.; 6a edição.

Expressar-se em português e inglês de modo auto-confiante é outro objetivo, no ritmo de cada um. Alguns terão maior fluência na segunda língua antes que outros, mostrando como cada criança é única no seu processo de aprendizagem.

Produzir, apreciar e conceituar arte. Esta forma não-verbal de expressão é considerada em 3 eixos, partindo do princípio que não basta ser só apreciador, deve-se também ser produtor.

A partir do reconhecimento do próprio nome e dos colegas do grupo, inicia-se o processo de alfabetização.

O trabalho com os nomes se inicia aos dois anos, com as crianças observando as diferenças de tamanho dos nomes e as formas das letras.

pt_BR